VERSÍCULOS BÍBLICO

Apocalipse

segunda-feira, 15 de julho de 2013

HABACUQUE

''O JUSTO PELA SUA FÉ VIVERÁ''

Entre os famosos Rolos do Mar Morto, descobertos na primeira caverna de Qumram em meados do século passado, encontra - se um manuscrito de Habacuque, contendo os capítulos de 1 a 2 de sua profecia. Os especialistas afirmam que o manuscrito teria sido escrito perto do fim do primeiro século a.C. Isto o torna o manuscrito hebraico mais antigo do livro de Habacuque de que se tem notícia. Mas quem foi exatamente Habacuque? O que podemos saber de concreto sobre ele? Pelo menos quatro coisas.

QUEM FOI HABACUQUE?

Em primeiro lugar, só ele, em todas as Sagradas Escrituras, recebe esse nome, que pode significar ''abraçado'', ''abraço'' ou abraço amoroso''.
Segundo especialistas, seu nome deriva provavelmente de um vocábulo assírio usado para designar uma planta (hambakuku) e cujo significado pode ser simplesmente ''vegetal''. Na Septuaginta, seu nome é Ambakoum. Jerônimo, no quinto século d.C., afirmou que o nome do profeta deriva de uma raiz hebraica cujo significado era ''segurar'', e que recebera esse nome ou por causa do seu amor a Deus ou por que lutara com Ele.
Uma tradição dos rabinos liga o nome do profeta a 2 Reis 4.16, fazendo - o filho da sunamita (''Disse - lhe o profeta: por este tempo, daqui a um ano, abraçarás um filho...). Outros escritores rabínicos o identificam como o atalaia de Isaías 21.6 e asseguram ser ele da tribo de Levi. Já algumas obras apócrifas dizem que Habacuque pertencia a tribo de Simeão e que nascera em Baitzocar de onde fugiu para Ostrarine, na Arábia, durante durante o ataque de Nabucodonosor a Jerusalém. 
Eusébio de Cesareia declara, em seu relato sobre a história da igreja, que existia em Ceila, na Palestina, um suposto tumulo do profeta. Há ainda a lenda apócrifa de Bel e o Dragão, onde Habacuque aparece sendo levado pelos cabelos até Daniel, salvando - o pela segunda vez da cova dos leões.
Apesar de tudo isso ser fantasioso ou no mínimo duvidoso, há algo concreto que podemos extrair daí, e que é a segunda informação sólida que temos  sobre Habacuque. Todas essas lendas apontam para o mesmo período histórico, corroborando o que se pode discernir do contexto de seu livro: ele ministrou no sétimo século antes de Cristo. 
A terceira informação que podemos inferir sobre a vida desse homem de Deus é que, por se apresentar diretamente com profeta (Hc 1.1), ele era possivelmente membro de alguma Casa ou Escola de Profetas. Essa essa instituição funcionava como seminário e, além de ensinar, arquivava fatos importantes da vida da nação Israelita.
Em outras palavras, além de ter o dom da profecia nos moldes veterotestamentário, tudo indica que Habacuque era um profeta profissional, isto é, uma pessoa preparada para exercer a função profética, diferentemente de boa parte dos profetas canônicos.
Os profetas canônicos são aqueles cujos livros entraram no cânone bíblico. Provavelmente poucos eram discípulos da Escola de Profetas, ou seja, profetas profissionais. Ao que parece, a maioria era de casos parecidos com o de Amós (Am 7.14,15). Habacuque seria uma das exceções. 
No entanto, a quarta informação cimentada que temos sobre esse homem de Deus nos leva mais além: Habacuque era muito mais que um profeta profissional. O final de seu livro deixa claro que, de alguma forma,
ele era também habilitado oficialmente  a participar da liturgia do Templo: '''... Ao mestre de música. Para instrumento de corda'' (Hc 3.19).
O termo traduzido no texto citado como ''instrumento de corda'' é neginoth, que tem em si a ideia de tanger um instrumento. Ora, os Salmos não eram apenas cantados, também eram entoados. Por isso seus compositores costumavam fornecer, juntamente com suas composições, algumas informações, tais como o instrumento adequado ao cântico, o tom que ele deveria ser tocado as vezes e, ás vezes a voz mais apropriada. 
Podemos ver isso nas epígrafes dos salmos 4,5,6,8,9,12,22,45,46,53-62,67,69,75,76,80,81,84,88, etc. O Salmo 46, por exemplo,de autoria 
dos filhos de Coré, deveria ser chamado de voz de soprano; e o 6, de Davi, com instrumento de corda em tom de oitavo.
Esse final do livro de Habacuque mostra que capitulo 3 de seu livro é um arranjo musical feito por ele mesmo. Logo, acredita - se que ele também era um Levita. Talvez fosse membro de um grupo profissional de profetas que estavam ligados ao templo de Jerusalém, como pode ser visto em 1 Cronicas 25.1: ''Davi, juntamente com os chefes do serviço, separou para o ministério os filhos de Asafe, de Hema e de Jedutum, para profetizarem com harpas, alaúdes e címbalos'' (ARA).
O texto de 1 Cronicas fala claramente que os cânticos a Deus composto por aqueles homens separados por Davi eram considerados profecias. Isso é comprovado de maneira marcante em muitas passagens das Sagradas Escrituras, visto que muitos dos cânticos bíblicos são de natureza profética ou de autoria de profetas, como os Salmos de Moisés e Davi.
Sem sombra de dúvida, Habacuque é um dos mais singulares profeta de toda a Bíblia. Como profeta discípulo da casa dos Profetas, compositor e adorador, distinguiu - se dos demais Profetas Menores. E sua distinção se sobressai nas páginas de seu livro. 

Enquanto Jeremias 
preocupava -se mais com 
a falta de arrependimento 
do povo,Habacuque,
desiludido, preocupava - se 
com a aparente relutância 
de Deus em julgar.

Estilo Marcante

O livro de Habacuque é tanto vigoroso como comovente. O autor usa ilustrações e comparações cheias de vida (Hc 1.8,11,14,15; 2.5,11,14,16,17; 3.6,8-11). Podemos identificar na obra pelo menos três estilos literários: o diálogo entre o homem e Deus, como vemos em algumas porções do livro de Jó, o que faz lembrar uma espécie de diário (Hc 1.1-2.5); um conteúdo semelhante ao dos demais livros proféticos do Antigo Testamento, na passagem dos cinco ''ais'' (Hc 2.6-20); e uma parte poética, semelhante aos salmos (Hc 3).
De forma geral, podemos definir esse livro salientando apenas qualquer um dos seus três estilos. Assim, podemos dizer tanto que ele é um diálogo quanto uma profecia ou um poema. O livro destaca a grandeza e a excelência de Deus sobre todas as nações (Hc 2.20; 3.6,12), enfatizando a soberania divina na existência. E destaca com a mesma intensidade a fé (2.4) e a exaltação ao Senhor (3.18,19).

Contexto Histórico, Moral e Espiritual

Os tempos de Habacuque eram críticos. As suas apreensões se justificam plenamente pelo contexto político e espiritual de seu tempo.
Conquanto as datas sugeridas para a profecia de Habacuque vão desde 650 a 330 a.C., a maioria dos estudiosos bíblicos está convencida de que a mais provável é a que se situa entre 609 a.C., no fim do reinado de Josias, e 605 a.C. Por que?
Há apenas três referência histórica em todo o livro de Habacuque.
A primeira se encontra na declaração ''Deus está no seu santo templo'' (2.20) e a segunda, na nota ao final do livro - ''Ao mestre de música. Para instrumento de corda'' (3.19). Esses dois textos indicam que o autor profetizou antes de o Templo construído por Salomão em Jerusalém ser destruído em 607 a.C.
Em Habacuque 1.6 temos a outra referência histórica. O texto fala da iminência de um ataque dos dos caldeus, uma tribo semita que ocupava a região entre a Babilônia e o Golfo Pérsico, sendo por isso denominados babilônios. Posto isso, para chegarmos a data considerada a mais provável, basta considerarmos três fatos: em primeiro lugar, uma possível ameaça babilônica só se tornaria evidente após a destruição de Nínive em 612 a.C.; em segundo lugar, devemos considerar que Josias, que reinou de 639 a 609 a.C., havia sido um bom rei e simpatizava politicamente com os babilônios, tanto que se levantou contra Faraó Neco para estorvá -lo na batalha contra o exército babilônio. Ora, se Habacuque se mostrou surpreso ao saber que Deus escolhera os caldeu para castigarem a desobediente Judá, temo um sinal de que o profeta escreveu seu livro no fim do reinado de Josias.

Os tempo de Habacuque
eram críticos. 
As suas apreensões
se justificam plenamente
pelo contexto político 
e espiritual de seu tempo.

Judá, nos tempos de Josias, simpatizavam com os caldeus. Eles eram vistos, de certa forma, como aliados. Mas, em terceiro lugar, o último detalhe histórico que reforça a possível data é que os primeiros prisioneiro dos babilônios (inclusive Daniel e seus amigos) só foram levados depois da batalha de Carquemis, em 605 a.C.
Nabucodonosor vai até o Egito e, retornando, invade Judá. A segunda invasão de Judá só se deu em 597 a.C. O chamado cativeiro babilônio inicia oficialmente em 587 a.C. Ora, Habacuque só admitiu plenamente os caldeus como uma ameaça a Judá depois da réplica de Deus (Hc 1.5-2.1). Logo, a data mais provável é entre 609 a 605 a.C., pois os caldeus já eram vistos como um exército muito poderoso, mas ainda não avia ameaçado Judá.
Em síntese, esse é o contexto político dos tempos de Habacuque: a Assíria havia derrotado o Reino do Norte e estabelecido o cativeiro. A conquista de Judá parecia uma questão de tempo. No entanto, surge uma nova potência mundial, que se move arrastando o que á em eu caminho, como correnteza impossível de ser represada. São os caldeus. Em pouco tempo, eles sublevaram - se contra os assírios e os esmagaram em confrontos sistemáticos e sucessivos. Em um primeiro momento, Judá e alegra, mas o tiro sai pela culatra.
Outro ponto importante é o contexto moral e espiritual da época de Habacuque. Josias, que governou o Reino do Sul de 639 a 609 a.C., era neto de Manassés, possivelmente o rei mais impio de toda a história de Judá. Há quem sustente, concordando com a tradição rabínica, que Habacuque já profetizara mais cedo, durante o reinado de Manassés.
Segundo a tradição judaica, ele teria sido um dos profetas aludidos em 2 Reis 21.10 e 2 Crônicas 33.10. De qualquer forma, Josias e Manassés são, sem dúvida, os reis cujas atividades mais marcaram o contexto espiritual
e moral da geração do profeta. Manassés expandiu o paganismo em sua nação, depois ele mesmo se entregou ao culto pagão, abraçando a magia negra do Oriente, tendo até queimado seus filhos como sacrifício. Era agoureiro e tratava com médiuns e feiticeiros (2Cr 33.1-10). Amom, filho de Manassés, seguiu bem os passos maus do pai (2Rs 21.19-26; 2Cr 33.21-25). Seu filho Josias, no entanto, voltou - se para Deus. Aos 20 anos, Josias começou fazer suas primeiras reformas (2Cr 34.3). Aos 26 anos (2Cr 34.8), com a descoberta do livro da Lei, o rei impulsionou suas reformas, as maiores que o Reino do Sul já experimentara. Como contemporâneo de Josias, Habacuque certamente se deixou levar pelo fervor que as reformas inspiravam. Ele acreditou que  finalmente a justiça e a confiança no Deus vivo e verdadeiro haveriam de prevalecer em Judá. Um bom sinal disso era que a Assíria, diante dos ataques caldeus, começava a perder sua força. Porém, de repente, morre Josias. Joacaz, seu filho, assume o trono, mas só reina por três meses. Faraó Neco bem da campanha em Carquemis, depõe Joacaz e coloca seu irmão, Jeoaquim (ou Eliaquim), em seu ligar. Judá começa agora a pagar tributo ao Egito. E pior: a impiedade volta a reinar.
As reformas aviam tido um resultado superficial. Não atingiram em cheio o coração do povo que, mal entrará eu bom rei, já se entregava de novo ao paganismo. Habacuque fica indignado. O impacto é muito forte. Os fatos desiludem o profeta, traumatizam - no, fragilizam sua esperança.
Habacuque está abalado. Desmancha - se em lamentos. Resolve, então, clamar ao Senhor e o faz desesperadamente. Mas o céu parece de bronze.
A oração de 
Habacuque tinha 
a finalidade 
de consolar e
fortalecer a fé do
povo durante o 
exílio.

O profeta - levita está perturbado por causa da impiedade de Judá.
Entretanto, enquanto o coevo Jeremias preocupa - e mais com a falta de arrependimento do povo, Habacuque, desiludido, preocupa - se com a aparente relutância de Deus em julgar. Violência e desconsideração para com a Lei de Deus campeiam incontida mente (Hc 1.2-4). O profeta clama, mas Deus parece mudo, ditante e insensível ao que está acontecendo.

O Primeiro Enigma e a Resposta de Deus (Hc 1.1-11)              
         
  Apesar da insistência do profeta, Deus parece não e mover. Essa indiferença o desnorteia. Deus o permite ver a desgraça de seu povo e se esquiva de agir. Por que?
''Até quando, Senhor, clamarei eu, e tu não me escutarás? [...] Por que razão me fazes ver a iniquidade e ver a vexação?'' (Hc 1.2,3). Esse é o primeiro grande enigma de Habacuque: o silêncio de Deus. Mas a pergunta do profeta não permaneceu sem resposta.
A resposta de Deus ao profeta expressa um dos grandes princípios bíblicos acerca da oração e do relacionamento com Deus: embora algumas vezes pareça que Deus mantém silêncio e é indiferente, deixando o pior acontecer, na verdade Ele está e sempre esteve agindo. A resposta de Deus a Habacuque é que havia um instrumento em suas mãos que já estava em ação e breve seria usado como forma de Juízo sobre Judá: os caldeus. Eles invadiriam Judá e a subjugariam. Os ex - vassalados da Assíria seriam a mais nova potência mundial (Hc 1.5-11). É importante salientar, contudo, que os caldeus não seriam apenas o instrumento divino para julgar o judeus.
Por intermédio deles, Deus também pretendia executar seu juízo sobre todas as nações que dEle haviam se esquecido (1.6,10).
O Segundo Enigma e a Resposta de Deus 

Depois de ouvir a resposta divina, Habacuque fica perplexo. Um povo mais impio do que Israel estaria sendo uado por Deus como instrumento de juízo, e isso obviamente o perturbava. Sua reação foi absolutamente natural: perguntou ao Senhor como poderia ser isso e por quanto tempo os babilônios, após suas conquistas, continuariam dominando (Hc 1.12-17). Deus, então, responde a Habacuque, dizendo que o soberbo perecerá (como os versículos 5 a 20 do capitulo 2 descrevem enquanto o justo, por sua vez, viverá (2.4). É importante dizer que o soberbo, nessa passagem, não é apenas o caldeu, mas também os ímpios de Judá, que perecerão no ataque babilônico. Por que Deus é anto e justo, o caldeus serão castigados a seu turno. Por que Deus é santo e juto, os ímpios de Judá também serão castigados, e primeiro do que os caldeus. Além de estar dizendo claramente que os justos de Judá, apesar do sofrimento pelo qual passarão no ataque caldeu, serão poupados (como aconteceu com Jeremias, Daniel e tantos outros), o Senhor mostra ao profeta que sua compreensão concernente á vida espiritual ainda era superficial. Ainda faltava a Habacuque considerar alguns aspectos essenciais da vida com Deus. Sua teologia ainda ignorava nuanças vitais, e que agora são sintetizadas para o profeta em uma única frase: ''O justo viverá pela sua fé''.
O justo não vive pelo que vê, sente, percebe, imagina ou pensa, mas pela fé. ''Por que andamos por fé e não por vista'' (2Cr 5.7). Não que essas coisas não sirvam, vez por outra, para alimentar nossa fé, mas não pode ser consideradas fundamento para ela. Nossa fé está fundamentada no próprio Deus, em sua palavra. O justo está baseado nela.
Sua sobrevivência e êxito dependem da palavra de Deus (Sl 1.1-3). Jesus deixou isso bem clarificado em seu Sermão da Montanha, na metáfora das casas edificadas sobre a areia e a rocha (Mt 7.24-27).
Em outras palavras, nenhuma adversidade, por mais intensa e intransigente que seja, é eficiente o bastante para desestruturar a vida daquele que vive sinceramente pela fé. Se a vida do servo de Deus tem por fundamento qualquer coisa que não seja a verdadeira fé, ela ela desmorona já na primeira intempérie.

Salmo do Profeta - Levita

O terceiro capítulo de Habacuque traz em si peculiaridades marcantes e extremamente singulares. A primeira encontramos logo no primeiro versículo desse capítulo: ''Oração do profeta Habacuque sob a forma de canto'' (Hc 3.1).
Está é uma ''oração do profeta''. Normalmente, o ministério profético é diferenciado do sacerdotal da seguinte forma: enquanto o sacerdote apresenta diante de Deus as suas causas humanas, o profeta faz caminho inverso, entregando ao povo aquilo que recebeu do próprio Deus. Assim, o ministério sacerdotal é intercessório, enquanto o profético é caracterizado pela transmissão da orientação divina ao povo. O dois era bem definidos e e completavam.
No entanto, na primeira grande marca desse capítulo de peroração, lemos que Habacuque, apesar de ser profeta, exerceu um ministério intercessório. Ele não apenas profetizou, ma também intercedeu fervorosamente pelo seu povo.
Em segundo lugar, o capítulo 3 do livro do profeta - levita é uma oração, mas também é um cântico. Ou melhor: é uma oração cantada. Como levita que era, Habacuque sabia da importância do louvor e, nesse caso, sob a inspiração divina, preferiu orar a Deus em forma de cântico.
Qual o objetivo do profeta em registrar essa oração para o seu povo?
João Calvino expôs muito bem o porquê:

Não dúvida de que profeta ditou essa forma de oração para o seu povo
antes de este ser conduzido para o exílio [...] O profeta, aqui, colocava diante deles as matérias da fé e estimulava - os a orar, e nós sabemos que nossa fé não pode ser fortalecida em um caminho melhor do que através do execício da oração [...] Ele levantava sua própria oração, mas não de forma privativa, só para ele mesmo ou como algo composto apenas para si; sua oração deveria ter alguma autoridade entre o povo [...]  uma forma de oração ditada para eles pela boca do profeta, como o próprio Espirito mostrando - lhes como deveria orar [...] O Espírito Santo, através do profeta, estava guiando - os e ensinando.
       
Sem dúvida, a oração de Habacuque tinha a finalidade de consolar e fortalecer a fé do seu povo no exílio, e ela também apresenta, justamente por isso, um valor didático. O povo deveria lembrar - se dessa prece como um padrão a ser seguido. O judeus precisavam orar a Deus durante o período de cativeiro da mesma forma que o profeta, isto é, com o mesmo propósito, sentimento e fé.
Que possamo seguir eu exemplo, levantando nossa voz não apenas para transmitir a verdade divina, mas também para clamarmos em favor dos que ouvem a mensagem de Deus.




8 comentários:

  1. Assim como toda Bíblia, gosto desse versículo além de desafiador remete a exortação como se "Se o justo retroceder..."

    Deus abençoe irmão
    Ezequiel Domingues dos Santos
    http://ezequiel-domingues.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Paz irmão segunda vez que leio sobre fé isso é bom ,a minha com certeza sera fortalecida ,glorias a Deus..

    ResponderExcluir
  3. Muito bom esse post, que Deus continue lhe orientando,
    fique na paz!

    http://gospelcards.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Comprove você tambem, muitos ja estão se beneficiando com nosso sistema.

    Pra que esperar mais, você não vai precisar vender nada, comprar nada, formar nenhuma rede, convidar

    ninguem, pagar nenhuma taxa inicial e nem mensalidade.

    Você terá todo o nosso apoio, toda nossa orientação, vamos te ensinar cada passo pra que você ganhe uma renda

    extra todos os meses, facilmente e garantida.

    PARECE MENTIRA mas não é!

    Comprove, você VAI se arrepender sim, mas só se não se tornar um de nossos parceiros

    Cadastre-se já: http://ganhosweb.com

    O trabalho e feito em apenas 1 h por dia, sem comprar nada, sem vender nada, sem formar redes, sem pagar nunhuma

    taxa inicial, nem mensalidade, apenas uma porcentagem dos seus rendimentos, ou seja, só ganhamos se você ganhar.

    Por tanto é nosso interesse te ajudar em absolutamente tudo que for possível. Nossa experiência é larga nesse ramo, e

    com certeza faremos de você um expert para que todos juntos, como uma equipe possamos usufruir dos melhores rendimentos.

    Necessário ter Banda Larga, e uma hora por dia de trabalho e ser maior de 18 anos, é tudo que precisa para trabalhar conosco.

    Nossa parte está feita, só falta você!
    Cadastre-se já, não perca mais tempo, é facil, agradável e garantido!!

    Cadastre-se já: http://ganhosweb.com

    ResponderExcluir
  5. Amém...Já seguindo http://cidaschilling1.blogspot.ch/

    ResponderExcluir
  6. Olá, adorei o seu blog, ao ler alguns posts, vi que você é uma pessoa esforçada que só quer falar e ser ouvida na blogosfera, assim como eu. Posso dizer que gostei muito do que li, vc tem um potencial enorme e sei que será um grande blog de fácil entendimento e conteúdo gostoso de ler. Sou Luciana Shirley do blog http://coisasecoisasdalu.blogspot.com.br/ se desejar me visite e siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

    ResponderExcluir